Skip to content

TI para Negócios

Como fazer a tecnologia trabalhar pelo seu sucesso e da sua empresa

Por Fernanda Nascimento*

O fenômeno LinkedIn já totaliza no mundo 546 milhões de usuários. Só no Brasil, já chegamos aos 32 milhões. As últimas estatísticas, apresentadas há duas semanas pela rede social, mostram que os números do LinkedIn crescem ano após ano e com eles a relevância dessa plataforma no cenário corporativo mundial.

O grande desafio é cada vez mais aproveitar as diferentes formas de negócio que podem ser desenvolvidas por meio dessa rede. Algumas dicas são imprescindíveis e podem aumentar consideravelmente as suas oportunidades:

Imprimir uma marca pessoal
O seu perfil no LinkedIn é muito importante. É o seu cartão de visitas, onde você apresentar a sua experiência profissional e os resultados que gerou ao longo de sua carreira. É importante ressaltar as suas realizações. A fase em que você se encontra: “em transição profissional” ou “desempregado” não pode ser sua principal história. Portanto, seu perfil deve dar ênfase ao que você pode oferecer como profissional e não à sua situação atual. Qual é o seu melhor? O que você faz de mais relevante comparado a outros profissionais?

Para descrever a experiência profissional e a formação acadêmica, priorize o emprego mais relevante nos locais de destaque. Isso elimina a necessidade de colocar a posição mais recente no topo da lista. Assim, é possível montar sua experiência estrategicamente, enfatizando as informações mais importantes da sua carreira naquele momento.

Isso não quer dizer que vale a pena apagar o passado ou turbinar a realidade, passando uma imagem a qual não é legítima. Toda a nossa história tem valor, até aquele estágio no comecinho da carreira. E desde esse comecinho você conheceu pessoas que sabem exatamente quem você é e os seus resultados. Portanto, seja verdadeiro.

Engaje os profissionais importantes para você
A ideia de usar o LinkedIn para se recolocar, vender ou mesmo aumentar sua autoridade no seu segmento é legítima, mas é preciso que as pessoas entendam o que você tem a oferecer. É mais ou menos como provar o conteúdo no seu perfil. Você garantiu ser bom, mas como atestar?

Nas redes sociais, a melhor forma de mostrar o conhecimento é dividir a sua experiência, por meio de conteúdo: vídeos, textos, posts ou artigos longos do LinkedIn. Ao oferecer uma informação interessante para a sua rede, você marca seu espaço mostrando que é um especialista no mercado, com conhecimento sobre a sua área de atuação, aponta tendências e, por tudo isso, vale a pena ser seguido.

Quando alguma de suas conexões compartilha o conteúdo que você produz, usa esse material para então influenciar sua rede, como se fizesse dela as suas palavras. Você não só está mostrando sua expertise, como reforçando a autoridade de alguém conectado a você. Então, sua imagem e sua experiência chegam mais longe, deixando de atingir prioritariamente a sua rede de primeiro grau – pessoas conectadas diretamente a você – e passa a navegar entre as suas conexões de segundo grau.

Use esse alcance para aumentar sua network
Quando uma conexão de segundo grau interage com a sua experiência, por meio do conteúdo publicado e compartilhado, abre espaço para um convite a se conectar. A partir daquele momento, a pessoa já sabe quem você é e concorda, de alguma forma, com o seu pensamento.

Use uma mensagem personalizada para se aproximar, deixe claras suas intenções, mesmo que esteja interessado em uma vaga de emprego postada ou tenha uma oportunidade de negócio. Suas chances de sucesso nesse contato serão muito maiores.

E, caso você já tenha analisado as conexões das suas conexões, por curiosidade ou até mesmo planejando alguma ação com a sua rede, deve ter percebido quantas chances de se aproximar de profissionais interessantes há no LinkedIn. O potencial é enorme!

Essas dicas certamente farão você ter mais visibilidade na rede social e o manterá mais próximo de pessoas que se lembrarão de você no caso de uma oportunidade. Entretanto, minha última sugestão é: não faça isso uma vez por semana, mas de 20 a 40 minutos por dia, no mínimo! Assim, não perderá possibilidades de envolvimento com assuntos em destaque e, principalmente, de resposta rápida para o que de interessante a rede lhe trouxer.

Bons negócios!

*Fernanda Nascimento e Diretora e Estrategista na Stratlab

Considerada uma das tecnologias “top 10” na área de segurança corporativa, armazenamento de dados e compartilhamento de arquivos, a tecnologia blockchain é apontada como uma das principais tendências para os próximos anos. O Fórum Econômico Mundial divulgou que, em 2025, 10% do PIB serão armazenados em tecnologias relacionadas com blockchain. O tema, que vem ganhando relevância na sociedade e foi inspiração para o nome de um bloco carnavalesco em São Paulo, o Chain, será um dos destaques do Congresso Future Payment, que será realizado nos dias 15 e 16 de maio, dentro da programação da feira Cards Future Payment, no Transamérica Expo Center.

Este ano o Congresso terá duas trilhas: Tecnologia e Inovação/Regulamentação e Relações com o Mercado. A primeira delas contará no primeiro dia do evento, às 15h20, com o painel “O que o sistema financeiro e o mercado de pagamentos podem esperar com a revolução blockchain?”. Na trilha sobre o mercado, haverá um debate, no mesmo dia e horário, sobre “Criptomoedas, reflexos, oportunidades e ameaças para a economia global”.

Muitos especialistas acreditam que a tecnologia, que cresceu em popularidade por ser a base para a criptografia e segurança da plataforma de bitcoin, revolucione a armazenagem de dados digitais em vários segmentos. Aliado ao uso de Big Data, o blockchain pode ser a alternativa para reunir dados que se encontram desconectados, de forma a ampliar a eficiência e assegurar mais transparência em cada etapa da transação financeira e do processo produtivo.

O blockchain é uma espécie de bloco de dados que contém uma assinatura digital, chamada de “hash”, que funciona como uma impressão biométrica. O que torna a tecnologia diferente é que cada bloco contém um “hash” criptográfico da anterior, formando uma cadeia, que será transformada em um nó compacto. Assim, qualquer adulteração é facilmente detectada e controlada.

Maria Juliana, diretora da Cards Future Payment, explica que uma das principais vantagens do blockchain é a possibilidade de proporcionar transações cada vez mais seguras, além de reduzir custos e processos operacionais. “Com a tecnologia, cada registro é individualmente criptografado e exige uma chave de acesso personalizada, o que ajuda a reduzir a exposição de um grande número de registros”, ressalta.

Segundo dados da consultoria IDC, os gastos mundiais em soluções de blockchain chegarão a US$ 2,1 bilhões em 2018, o dobro de investimento registrado no ano passado. A previsão é que os investimentos cresçam em ritmo acelerado até 2021, com taxa de crescimento anual composta de 81,2%, chegando a US$ 9,2 bilhões em 2021.

A HID Global, líder mundial em soluções de identidade confiável, apresenta as principais tendências no setor de tecnologia de identidade para 2018. A empresa aponta para o aumento da adoção de acesso móvel e nuvem, maior prioridade à proteção da Internet of Things (IoT) e análise de dados como algumas das principais tendências que terão um papel de liderança no desenvolvimento de experiências mais inteligentes e conectadas neste ano.

“As identidades confiáveis serão os pilares fundamentais para que as organizações criem ambientes que conectem pessoas, lugares e coisas”, disse Samuel Asarnoj, Vice Presidente Sênior de Estratégia Corporativa e Desenvolvimento de Negócios da HID Global. “A experiência do usuário será redefinida por tecnologias móveis, IoT, nuvem e oferecerá novas capacidades para o futuro”, afirma.

A empresa aponta cinco tendências significativas em 2018:

Organizações que adotam os benefícios da nuvem

• A adoção da nuvem aumentará devido a crescente conscientização sobre a facilidade de implantação, flexibilidade, opções de conectividade e benefícios de produtividade. As plataformas de controle de acesso na nuvem com interfaces de programação de aplicativos (API) e kit de desenvolvimento de software (SDK) estimularão o fornecimento de novas soluções de software, expandindo as opções das organizações para aproveitar ao máximo seus investimentos. A emissão de cartões baseada na nuvem aumentará sua adaptação devido à sua facilidade de uso, segurança e estrutura de custos, enquanto os governos continuarão a investigar cada vez mais como as identificações impressas podem ser agregadas as identificações móveis de cidadãos emitidas pela nuvem.

• A autenticação em nuvem e o gerenciamento de credenciais também integrarão dispositivos móveis, tokens, cartões e pontos finais em ambientes M2M (comunicação máquina-máquina). Além disso, os certificados digitais na IoT usarão serviços de nuvem confiáveis para emitir e gerenciar certificados em milhares de dispositivos.

Dispositivos e ambientes mais conectados direcionam o foco para proteger o IoT

• Os certificados digitais serão um componente central para adicionar confiança na IoT por meio da emissão de IDs digitais únicos para impressoras e codificadores, celulares, tablets, câmeras de vídeo e sistemas de automação de edifícios, além de uma gama de serviços como carros conectados e dispositivos médicos.

• A opção “read” do Apple iOS 11, com sua tecnologia NFC, permitirá a adoção de aplicativos baseados em IoT, a proteção de marca, programas de fidelização de clientes e em outras aplicações que tornam ainda mais necessário melhorar a segurança do IoT.

O acesso móvel atinge o ponto crítico para a adoção em massa no mercado

• 2017 foi o ano em que o acesso móvel se consolidou e em 2018, a adoção acelerará ainda mais. A maturidade em soluções móveis e a integração em outros sistemas, juntamente com a capacidade do celular para melhorar a conveniência do usuário, otimizar a eficiência operacional e proporcionar uma maior segurança impulsionará o crescimento acelerado para acesso móvel e sua adoção geral.

• O estimulo do cartão modo NFC, focado em controle de acesso móvel, permanece reservado para o Apple Pay, que vai deixar o Bluetooth como o padrão de comunicação para suporte de acesso móvel multiplataforma. Ainda assim, as organizações irão investir em leitores e outras infraestruturas que apoiem a NFC e a BLE para que estejam preparadas para futuras possibilidades.

Convergência de segurança física e digital

• O conceito de Identidade Física e Gerenciamento de Acesso (PIAM) conduzirá a convergência de segurança física e digital para uma credencial única, colocando a identidade no centro de todos os casos de uso. Setores como governos, bancos, energia e outros mercados regulados serão os pioneiros no uso dessas soluções para proteger o acesso aos seus edifícios, e-mails, sites e redes virtuais privadas (VPN, sigla em inglês).

• Novos modelos de identidade convergentes que usam autenticação em nuvem e dispositivos móveis também estão emergindo, como a capacidade de verificar a presença de uma pessoa em um local, IDs móveis que validam identidades de cidadãos físicos e cartões inteligentes que autenticam usuários em recursos empresariais.

A análise de dados impulsionará a inteligência baseada em risco para modelos preditivos e novas capacidades

• Os dispositivos, sistemas de controle de acesso, aplicativos IoT e outras soluções conectadas à nuvem fornecerão dados robustos para análises avançadas. As informações dessas análises podem ser usadas para otimizar as soluções de fluxo de trabalho e proporcionar um acesso mais transparente para usuários finais.

• A análise preditiva e a biometria desempenharão um papel crucial na segurança centrada nas pessoas e abordarão as demandas dos funcionários para locais de trabalho com objetivo de oferecer serviços premium e mais personalizados. O Google Analytics também ajudará a reduzir o tempo de inatividade na empresa, além de estimular a automação da fábrica e melhorar a conformidade por meio do monitoramento da condição do equipamento, além da localização e detecção em tempo real.